FEEDBACK E PESSOAS

AGIRH Consultoria Organizacional

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email

Quem me conhece sabe que atuo há cerca de 15 anos na área de Desenvolvimento Humano I Gestão de Pessoas I Recursos Humanos, ou seja, com pessoas… com gente. Procuro atuar de forma assertiva, coerente e sobretudo com respeito ao próximo.

Sempre que possível… em processos seletivos conduzidos por mim procuro dar e fornecer feedback’s de como percebo os candidatos que entrevisto e não faço isso apenas para aqueles que fecham contrato comigo de recolocação ou orientação profissional, procuro deixar um esclarecimento efetivo de como os percebo, pois geralmente os candidatos saem dos processos seletivos, sobretudo das entrevistas sem que saibam ao certo como estão ou foram avaliados pelo selecionador.

Alguns que me acompanham aqui mesmo no LinkedIn podem comprovar ou corroborar com esta afirmativa. E como são ricos esses momentos… como os profissionais precisam de ajuda e orientação. O “permitir-se” receber um feedback é importante porque sim… precisamos melhorar…. faço referência à mim, à você que tirou alguns momentos e está lendo essas palavras que aqui teci, bem como todos precisamos saber onde e como estamos sendo avaliados. O diálogo é fundamental em qualquer relação. E isso tem emocionado verdadeiramente muitos candidatos. Até mesmo um simples feedback negativo é agradecido por muitos candidatos. Todos querem ser ouvidos, mas poucos se propõem efetivamente na escuta ativa dos profissionais. Recrutadores pratiquemos mais os retornos e feedback’s, não é fácil eu bem sei… não sou perfeita. Recebo em torno de 1000 currículos por dia no e-mail da AGIRH e não consigo dar retorno a todos.

Eu ensino e aprendo todos os dias com a equipe que está ao meu lado, com os candidatos e clientes que tenho a satisfação de conhecer e trabalhar… eu aprendo com a minha família, com o esposo incrível e parceiro que tenho, bem como com os meus dois filhos que possuo ainda em idade infantil.

Semana passada o meu filho João Pedro de 8 anos pediu para que eu conseguisse uma calculadora para uma atividade do 3º ano do Ensino Fundamental de sua escola, hoje pouco utilizamos esse instrumento. Tudo que precisamos estão nos modernos smartphones que temos na palma de nossas mãos. Ao conseguir o instrumento e logo que compartilhado com ele … o meu filho caçula pegou a calculadora fez um cálculo rápido e imediatamente resolveu testar se o irmão sabia a resposta, entretanto ele foi logo dizendo:

– João Isaac primeiro temos que fazer o cálculo de cabeça, depois é que conferimos a resposta na calculadora.

O que isso quer dizer?

Nos acostumamos a procurar respostas prontas para tudo. Na faculdade queremos os trabalhos prontos que deem justamente o mínimo de “trabalho” possível. E isso vale para tudo.

Estudar o comportamento humano é realmente desafiante. As pessoas não são fáceis, mas digo-lhes com toda certeza. Trabalhar e lidar com pessoas é a melhor “coisa” do mundo porque nós temos a capacidade de melhorar ou piorar o mundo em que estamos.

Basta que venhamos a fornecer um pouco mais de tempo, amor e respeito ao próximo, então que pratiquemos que diminuiremos também os conflitos!

Mais conteúdo para você

Nós podemos ajudar sua empresa a crescer!

Fale agora com um de nossos especialistas e conheça nossas soluções.